Você está aqui
Home > Brasília > Justiça manda penhorar carro de luxo da distrital Sandra Faraj

Justiça manda penhorar carro de luxo da distrital Sandra Faraj

 

Decisão visa garantir que deputada quite dívida cobrada pela empresa de informática Netpub, cujo sócio é ex-funcionário da parlamentar
Por MANOELA ALCÂNTARA e SUZANO ALMEIDA /METROPOLES

A Justiça determinou a penhora de um utilitário Evoque Dynamic 5D, de propriedade do marido da deputada Sandra Faraj (Solidariedade), João Batista Cavalcante Júnior. A decisão faz parte da execução da dívida que a parlamentar teria com a Netpub.

 

A penhora foi anexada, nesta segunda-feira (17/4), ao processo no qual a Justiça determina que Sandra pague R$ 217.630,36 à empresa. O veículo é uma garantia de que os débitos serão quitados, caso a deputada seja condenada. De acordo com a tabela Fipe, o utilitário tem preço médio no Brasil de R$ 168.474,48.

 

Em 15 de março, a juíza da 2ª Vara de Execução de Título Extrajudicial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Luciana Correa Torres de Oliveira, havia determinado que a distrital quitasse, em um prazo de três dias, a dívida com a Netpub, sob pena de penhora e avaliação. Como Sandra não cumpriu a determinação e entrou com um recurso chamado embargo de execução, o carro de luxo foi penhorado.

 

De acordo com o advogado de Sandra Faraj, Cléber Lopes, a juíza pediu que um bem fosse penhorado enquanto analisa os argumentos da defesa. “Isso não significa andamento do processo”, afirmou. Na petição entregue à Justiça, também anexada aos autos nesta segunda-feira, é reiterada a posição de que a parlamentar mantinha em casa valores em espécie para arcar com as obrigações contratuais até o ressarcimento ser feito pela CLDF por meio de verba indenizatória.

 

No entanto, no mesmo processo de embargos de execução, a defesa alega ter anexado extratos bancários que apontariam saques de Sandra da conta corrente no valor das parcelas a serem pagas à Netpub, o que comprovaria o pagamento da dívida.

 

Sandra é acusada pelos sócios da Netpub, entre eles Filipe Nogueira, ex-funcionário do gabinete da deputada, de dar calote de R$ 150 mil à empresa. Ele teria prestado serviço de informática para a distrital, entre 2015 e 2016, e recebido apenas R$ 24 mil dos R$ 174 mil devidos.

 

Processo na CLDF

Paralelamente ao processo na Justiça, corre na Câmara Legislativa o pedido da ONG Adote um Distrital de cassação de mandato de Sandra Faraj. Nesta terça-feira (18), a defesa da parlamentar foi entregue à Corregedoria da Casa.

 

A partir de agora, o corregedor, deputado Juarezão (PSB), terá 15 dias úteis para analisar o material e formular um parecer para a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar. Segundo o advogado Cleber Lopes, a defesa se ateve apenas ao caso de inadimplência e os motivos que levaram o gabinete da deputada a pagar parte da dívida em boleto e o restante em dinheiro.

Deixe uma resposta

Top