Você está aqui
Home > Brasília > Saída do PDT da base aliada de Rollemberg acirra disputa eleitoral em 2018

Saída do PDT da base aliada de Rollemberg acirra disputa eleitoral em 2018

A um ano das eleições, a sigla rompe a aliança com Rollemberg e abre caminho para uma candidatura própria em 2018. Agora, o chefe do Executivo local enfrenta o desafio de manter a influência nas votações no Legislativo e de se reaproximar dos servidores

Ana Viriato , Helena Mader

A já deteriorada aliança entre a Executiva Regional do PDT e o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) chegou ao fim. A sigla anunciou, ontem, que vai colocar à disposição do Executivo local os cargos preenchidos por indicações políticas e vestiu a camisa de uma posição independente. Assim, na contagem regressiva para as eleições, o chefe do Palácio do Buriti vai enfrentar o desafio de reconstruir a base aliada para a disputa de 2018, além de pacificar a desgastada relação com o funcionalismo. A aprovação do projeto que reformulou a Previdência e aliviou a situação financeira do GDF aumentou a pressão de várias categorias que esperam pelo pagamento de reajustes salariais e também suscitou a expectativa de que obras prometidas saiam do papel.

A reunião do PDT que determinou o rompimento durou cerca de duas horas. A tendência é que, frente à ofensiva, o comandante do Executivo local exonere os comissionados apontados pelos pedetistas. Segundo o presidente regional do partido, Georges Michel, a decisão se deve à dificuldade de diálogo com Rollemberg, além de falhas na gestão. “Foi uma reunião muito democrática, em que cada um colocou seu posicionamento. E tomamos a decisão de ter independência para nos posicionarmos. O GDF tem falhado na concretização do plano de governo. Com essa decisão, ficamos livres para realizar as cobranças”, afirmou.

Saiba mais

  • PDT deve anunciar desembarque da base de Rollemberg nesta terça-feira
    PDT deve anunciar desembarque da base de Rollemberg nesta terça-feira
  • PDT quer Jofran Frejat em 2018 e já ensaia romper com Rollemberg
    PDT quer Jofran Frejat em 2018 e já ensaia romper com Rollemberg
  • PDT decide ficar no governo Rollemberg pelo menos até 10 de outubro
    PDT decide ficar no governo Rollemberg pelo menos até 10 de outubro

Também participaram da reunião da Executiva Regional do PDT o vice-presidente da sigla no DF, Fábio Barcelos; os distritais Joe Valle e Reginaldo Veras; o secretário de Trabalho e Empreendedorismo, Thiago Jarjour; e outros 25 nomes da legenda.O movimento evidencia as pretensões do partido quanto ao próximo pleito. A sigla trabalha para emplacar um candidato próprio ao Palácio do Buriti. Os nomes do presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT), e do ex-secretário de saúde Jofran Frejat (PR), caso ele se filie ao partido, são cotados.

Em nota, o GDF lamentou a decisão  do PDT, “que o obrigará a rever o espaço administrativo que o partido ocupava até então”. Ressaltou que acredita não haver motivo político na decisão, a não ser o de dar “respaldo a um projeto eleitoral”. “O Governo de Brasília espera que o PDT realmente respeite os seus compromissos com a cidade e sua população e vote a favor de projetos que são do interesse e importantes para o desenvolvimento econômico e social do Distrito Federal”, finaliza o texto.
Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Dificuldades

O rompimento do PDT é mais um acrescentado à lista dos aliados que deixaram a base governista e deve agravar as dificuldades de gestão de Rollemberg. Isso porque os pedetistas têm dois representantes na Câmara Legislativa — votos que fazem falta em votações de matérias prioritárias. “As propostas de maior impacto, como a reforma da Previdência e a criação do Instituto Hospital de Base do DF, já passaram pelo plenário. Mas proposições importantes para o governo chegarão em pouco tempo, como a Luos”, apontou o secretário adjunto de Relações Legislativas, José Flávio de Oliveira.
Mesmo com a aprovação da proposta que uniu os dois fundos previdenciários, liberando cerca de R$ 170 milhões por mês para os cofres do governo, o Palácio do Buriti avisou que não há brecha para retomar negociações salariais. O orçamento do GDF para 2018 não contempla o repasse de reajuste a nenhuma categoria e restringe novas nomeações. A falta de recursos e de disposição do Executivo para negociar com o funcionalismo, entretanto, deve ter um preço alto nas eleições: rivais de Rollemberg exploram o assunto na tentativa de desgastá-lo.
Uma das categorias que mais enfrentam atritos com o governo é a dos policiais civis, que cobram aumento salarial de 37%, em isonomia com o reajuste concedido à Polícia Federal. Durante a campanha de 2014, Rollemberg deu declarações públicas, que foram gravadas, de que respeitaria a paridade salarial com a PF. Mas, diante das dificuldades de caixa, suspendeu as negociações.
O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal, Rodrigo Franco, o Gaúcho, tem buscado apoio de outros políticos. Ontem, os policiais estiveram com o deputado federal Laerte Bessa (PR). Na última segunda-feira, foram recebidos pelo presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT), potencial candidato ao governo. “Estamos procurando vários políticos para cobrar apoio à retomada das negociações”, diz. “Na última reunião com deputados do Distrito Federal e com o governador, há cerca de um mês, Rollemberg firmou o compromisso de que, após a aprovação da reforma da Previdência, ele nos chamaria para uma nova reunião. O projeto passou pela Câmara há mais de duas semanas, mas ainda não fomos recebidos”, reclama.
O presidente do Sindicato dos Servidores e Empregados da Administração Pública (Sindser), André Luiz da Conceição, diz que a folga financeira do governo, acarretada pela reformulação da Previdência, impõe uma retomada das negociações com o funcionalismo. “Somos contra o projeto do Iprev e temos convicção de que o governo está melhor financeiramente por vários motivos, como aumento de receitas. Mesmo arrecadando mais, o governo não quer honrar seus compromissos”, reclama André.

Consequências

Para o cientista político David Fleischer, os problemas do mandato de Rollemberg começaram com uma bomba-relógio fiscal deixada pela gestão de Agnelo Queiroz (PT) e agravaram-se com falhas da atual gestão, como o troca-troca de secretários e a má articulação política com o Legislativo. “No início, ele teve que tomar medidas impopulares em nome da austeridade fiscal e, assim, feriu a própria imagem. Mas também falhou em vários aspectos. Um deles é, em meio à recessão, manter tantos comissionados. Outro agravante é não saber dialogar tanto com os distritais quanto com a classe trabalhadora”, pontua.
O estudioso destaca, ainda, que a reeleição está condicionada a uma série de readaptações. “Politicamente falando, para que Rollemberg melhorasse a própria imagem, teria de escolher duas ou três áreas e investir, para conquistar novas realizações. Também teria de se aproximar do funcionalismo e da classe de policiais, duas bases políticas fortes, com representações na Câmara Legislativa”, acrescenta.

Lei aprovada

O texto da Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos) foi aprovado por unanimidade, na noite de ontem, pelo Conselho de Planejamento Urbano e Territorial do Distrito Federal. Depois de uma tarde de deliberações, o projeto de lei recebeu o aval dos 30 conselheiros presentes. O governador Rodrigo Rollemberg presidiu a reunião, realizada no Palácio do Buriti. Com a aprovação no Conplan, o projeto de lei da Luos poderá ser enviado à Câmara Legislativa.


Ex-aliados

Rodrigo Rollemberg (PSB) terá de construir novas coalizões para alcançar a reeleição, isso porque, ao longo dos quase três anos de gestão, o chefe do Palácio do Buriti perdeu os mais fortes aliados, que o acusam de descumprir promessas de campanha. Confira quais foram:

 
Ed Alves/CB/D.A Press - 1/8/17; Minervino Junior/CB/D.APress - 20/6/17
Cristovam Buarque e Celina Leão
Eleitos pelo PDT, Celina Leão e Cristovam Buarque desembarcaram da legenda para se filiar ao PPS em fevereiro de 2015. À época, a distrital adotou um posicionamento de oposição contra Rodrigo Rollemberg. O senador, por sua vez, levou mais tempo e anunciou o rompimento apenas em fevereiro de 2016. De acordo com os dois, o comandante do Palácio do Buriti erra ao ouvir pouco.
Minervino Junior/CB/D.A Press

Rogério Rosso e Renato Santana

Integrante da coligação que emplacou Rollemberg como chefe do Palácio do Buriti e partido do vice-governador Renato Santana, o PSD não assume, publicamente, o rompimento. Mas a insatisfação é demonstrada em pequenos gestos. A legenda, inclusive, anunciou que não estará com o chefe do Executivo local nas próximas eleições. “As bandeiras do PSD não estão sendo observadas pelo Governo de Brasília e isso será imperioso na decisão que o partido tomará em breve”, disse ao Correio o presidente regional da sigla, Rogério Rosso.
Moreira Mariz/Agência Senado
Reguffe
Cotado como candidato para o Palácio do Buriti em 2014, o senador Reguffe (sem partido) decidiu apoiar Rodrigo Rollemberg à época. Entretanto, com o passar dos anos, a relação dos dois se deteriorou. O senador adotou uma posição independente aos desejos do ex-partido, o PDT, e deixou a legenda, integrante da coligação que elegeu o chefe do Executivo local. Além disso, segundo Reguffe, o governador não cumpriu compromissos de campanha, como reduzir impostos, isentar de tributos uma cesta de medicamentos essenciais e reduzir em 60% os cargos comissionados.
 Fonte: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

Top